Puxado por compras em lojas de roupas, Espírito Santo apresenta crescimento de 26,5% no consumo das classes C e D

Os consumidores capixabas das classes C e D foram às compras em dezembro, o que resultou em um crescimento de 26,5% no consumo desse público em relação a novembro. A ascensão nos gastos, segundo os dados da Pesquisa de Hábitos de Consumo da Superdigital, fintech do Grupo Santander focada em inclusão econômica, foi puxada pela aquisição de produtos em lojas de roupas, com alta de 46% entre os meses observados.

Outros setores que apresentaram crescimento no Espírito Santo foram Transportes (34%), Restaurantes (17%), Lojas de Artigos Diversos (16%), Supermercado (16%) e Automóveis e Veículos (15%). Em contrapartida, o segmento de Hotéis e Motéis teve queda de 53%, seguido de Companhias Aéreas (51%) e Serviços (12%).

Na média do País, o consumo das classes C e D no Brasil cresceu 31% em dezembro ante novembro, de acordo com a Superdigital. O resultado foi o melhor do ano de 2021, apesar de ainda ter representado uma queda de 13% em relação a dezembro de 2020.

Luciana Godoy, CEO da Superdigital Brasil, afirma que o consumo foi impactado positivamente pelo 13° salário e festas de Natal e Ano Novo. “Foi um ano de recuperação para o varejo, que ainda sofreu muito por conta da pandemia, mas dezembro trouxe um alívio e ficou acima das expectativas”, diz.

Na pesquisa, todas as regiões do Brasil mostraram alta no consumo dessas classes sociais, com destaque para o Sudeste, que impulsionou o resultado, com alta mensal de 33%. Nas demais regiões, o Nordeste fechou com alta de 32%, seguida do Sul (26%), Norte (22%) e Centro-Oeste (22%).

No Brasil, os setores que mostraram recuperação mais significativa no consumo foram Lojas de Roupas, com alta de 32%, Supermercado, com 24%, Lojas de Artigos Diversos (15%), Transporte (15%) e Restaurantes (13%). Já os setores que apresentaram quedas no consumo foram Rede Online (-9%), Companhias Aéreas (-7%) e Diversão e Entretenimento (-3%).

O levantamento mostrou também que o principal gasto no orçamento foi no segmento Supermercado (36%), seguido de Restaurantes (11%), Lojas de Artigos Diversos (11%) e Transportes (8%).

Outro dado da pesquisa mostrou que 87% dos gastos totais foram feitos presencialmente, o que representa dois pontos percentuais a mais se comparado a novembro.

Em relação ao ticket médio, houve aumento significativo nos setores de Transporte (9%), Hotéis e Motéis (8%), Supermercado (8%) e Lojas de Roupas (7%).

Entretanto, caíram os valores médios em cada compra com Rede Online (8%), Companhias Aéreas (5%) e Serviços (3%).